ah, como eu adoro feriado. Quando o comércio fica aberto, então, é tudo de bom.

Tive um fim de semana perfeito. Começou na sexta-feira, com o maravilhoso show da Maria Bethânia. Como sempre, e como era de se esperar, ela estava deslumbrante, maravilhosa, cantou como ninguém, inclusive uma canção chamada Bom Dia, cuja gravação feita pela Elizeth Cardoso com o Rafael Rabelo era, para mim até então, definitiva.

Sábado de praia de manhã, apesar de uma leve ressaca. Domingão com praia novamente, desta vez com menos sol.

Ontem fiquei em casa de manhã. Estou lendo um livro maravilhoso, do Harold Bloom, chamado Jesus e Javé – Os nomes divinos.  Uma excelente crítica da bíblia, mas do ponto de vista literário, não teológico – muito embora seja quase impossível desvencilhar essa perspectiva do texto “sagrado”.

Na hora do almoço, fui ao natural da Barão da Torre. Que decepção! Eu gostava tanto daquele restaurante! Agora, além de ter colocado muito mais pratos com animais, ainda incrementou com uma bancada de IECAHHHH sushi. Tem noção? A gente tentando comer em paz e aquela fedentina de comida japonesa. Ninguém merece.

E a comidinha vegetariana que eles servem lá, outrora bem temperada e saborosa, está totalmente insosa! Que pena. Nota zero para a nova cozinha do Natural de Ipanema.

0 resposta

  1. Passei aqui para espanar a poeira…tirar as teias!! Hehehe
    Não acredito que NADA sem noção não tenha ocorrido na tua vida ou das pessoas próximas!!!!!
    Cadê tuas histórias engraçadas??

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.