Eu não gosto muito de aniversário, mas tem umas coisas que eu acho totalmente sem-noção, muito embora tenham virado prática corriqueira. Quando eu resolvo comemorar meu aniversário, eu dou uma festa. Acho inaceitável, por exemplo, essa moda atual das pessoas dizerem que vão receber os cumprimentos em algum boteco, cada um paga o seu. Pra mim, é o fim da picada. Quando a pessoa não é muito íntima, eu já aivso logo que não vou e esclareço as razões. Se nem é muito íntima, é pior ainda: nem vou.

Agora, comemorar aniversário em restaurante self-service é o fim da picada! Hoje fui almoçar sozinho no David Grill da Santa Luzia. É uma boa opção para os vegetarianos, porque sempre tem alguma coisa boa, sem bicho, o que não era o caso hodierno. Mas de todo modo, lá ia eu, sozinho com meus pensamentos, subindo a escadinha para o primeiro andar com meu pratinho na mão quando ouço o primeiro Parabéns pra você.

A musiquinha de per si já é irritante. A letra, embora melhor que a versão inglesa, é ridícula e a valsinha é deprimente. Mas enfim, achei chato e ridículo, mas vamos lá. Quando me sentei, o segundo grupo começou a cantar a musiquinha e, antes de eu terminar, não menos do que três grupos já haviam comemorado o aniversário de alguém.

Fala sério! Quem vai a um self-service cheio, barulhento, comum e ordinário para comemorar aniversário de alguém?

0 resposta

  1. Nossa Cristovam,
    Pensei que só eu era dessa opinião e até me sentia mal por isso. Semprei achei que no dia do aniversário da pessoa é ela que tem que arcas com os custos da alegria de estar vivo e não os outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.