|

LITERATURA

Teoria da Conspiração

Então o Adriano foi morto pelas polícias do Rio de Janeiro e da Bahia. A hipótese de queima de arquivo é muito séria e tem sido fortalecida, principalmente depois que o advogado dele mencionou à imprensa que falou uma vez com ele, depois de um ano foragido, e o defunto mencionou este medo. Tudo bem estranho e confuso. O camarada era um miliciano, tido por um dos mais perigosos, porque tinha treinamento policial de elite. Reza a lenda, nada comprovado, que era um matador de primeira. O que sabemos de certo é que foi homenageado pela famiglia ora ocupante do Planalto enquanto cumpria pena e que parentes dele eram empregados do gabinete do senador 01. A suspeita só aumenta, não é?

Prioridade de gastos

Na mesma semana, a criatura insana que nos preside disse que pessoas portadoras de HIV são um peso econômico para o Estado. Essa afirmação, aparte de todo o escândalo que representa, ainda é infundada e mentirosa. Nosso sistema de saúde é inclusivo, prevê a abrangência universal, inclusive para estrangeiros residentes ou turistas, empregados, contribuintes ou não. Mas está longe de ser uma surpresa. O cara sempre mostrou desinformação e ignorância em todos os aspectos da vida prática. Numa entrevista para Monica Iozzi, quando ela trabalhava no CQC, ele disse que os portadores do HIV eram promíscuos e que, por isso, deviam pagar pelo próprio tratamento. Esqueceu-se das inúmeras esposas fieis que contraíram porque os maridos pulavam a cerca e transavam sem preservativo, dos hemofílicos, das transmissões acidentais. Na cabeça do monstro a AIDS ainda é uma praga gay, e como ele é profundamente homofóbico e deseja a morte de nós, veados, extinguir o programa de HIV/AIDS do Ministério da Saúde é só uma das formas.

Parasitismo

Depois de todos os absurdos todos que o Ministro da Educação falou, tudo o que a Damares inventou como cortina de fumaça, o que o da educação ladrou e nos envergonhou, chegou agora a vez do Guedes nos ofender. Chamou os servidores públicos de parasitas. Chamou o Estado de hospedeiro e nós, servidores públicos de vírus, doença. Este sujeito é de uma ignorância do funcionamento do Estado, do Governo, de tudo o que envolve a coisa pública, o Erário, e tem o desplante de nos chamar de PARASITA! É de indignar, mas a massa de servidores públicos de Brasília parece concordar com isso. Num post de um amigo repercutindo essa declaração do ministro, um ex amigo dizia que há servidores ineptos. Claro que há, assim como há em todas as profissões. Mas ele generaliza e torna todos os profissionais do serviço público por aquele. Há professores, policiais, bombeiros, serventuários, médicos, técnicos e agentes de legislação, gente muito bem preparada e que rala muito. Eu posso dizer da ralação porque em 1997 toquei um projeto imenso de informatização do Diário Oficial. Tinha dia de entrar 10h da manhã e sair no dia seguinte, às duas da madrugada. Sem hora extra, sem banco de horas. Se hoje o Diário Oficial publica em plataforma digital todas as barbaridades desse governo de alucinados, uma grande parte foi minha responsabilidade. Parasita é gente que vai eleita deputado federal e não apresenta um projeto, não defende uma ideia, não preside ou participa de comissão. Depois é eleito presidente e acha que todo mundo tem de pensar igual a ele.

Ainda com relação à diferença entre empresa pública e iniciativa privada: você é plenamente satisfeito com seu provedor de internet? nunca teve um problema com um voo? sempre foi bem atendido nos hospitais e laboratórios particulares que você buscou? a companhia telefônica que provê seu plano de dados e voz é absolutamente eficiente? Há problemas em todas as áreas. Mas há locais em que o serviço público, principalmente num país como o Brasil, é a única solução para a população mais carente. Escola pública, por exemplo. Há excelentes instituições públicas de ensino, e as que não o são, deveriam se tornar uma prioridade para a comunidade local. Todos devíamos estar envolvidos com a causa da educação, cobrando e fiscalizando a aplicação das verbas, o pagamento de salário digno aos professores e profissionais que cuidam da limpeza e conservação, merendeiras, enfim, toda a infraestrutura necessária para que os alunos se sintam acolhidos e aprendam melhor. Estudar é uma revolução!

cultura

Então a ex-namoradinha do Brasil decidiu pela secretaria de cultura. Não me surpreende. Já não era boa atriz, o público dela envelheceu e teve contato com gente muito melhor, ela foi perdendo público e fama. O contrato vitalício mantido com a Rede Globo era só para ela ficar parada e não chamar nenhum público para emissoras concorrentes. Estava meio que numa geladeira, porque, além de ruim, estava cada vez mais repetitiva. Não obstante, é uma personalidade. O Brasil inteiro a conhece e isso é um capital inestimável. Não serviu para fazer o vampiro serra vencer as eleições em 2002, porque estávamos saturados do neoliberalismo do PSDB e a onda Lula era irrefreável, mas aquela propaganda patética dizendo que tinha medo do outro candidato teve forte influência no fracasso da candidatura, que já não era das melhores.

Não espero nada de diferente do tal Alvin, só que esta não é oportunista nem está atolada em dívidas por conta de má gestão. O fascismo da proposta cultural continua lá, intacto. A tal arte moral, distante da inclusão, continua firme nos propósitos opressores deste desgoverno. Talvez regina não seja tão estapafúrdia, mas tem nada de gestora, nada entende de orçamento público, empenhos, notas fiscais, contabilidades. Vai ficar dando sorrisos e distribuindo tchauzinhos com aquela cara de ligeiramente embriagada de todas as apresentações públicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

plugins premium WordPress