|

LITERATURA

O Camões da moça moçambicana Paulina Chiziane

Li dois livros da agraciada com o Prêmio Camões deste ano, Paulina Chiziane, a moçambicana de olhar plácido e fala mansa. O primeiro foi Niketche, Uma História da Poligamia e o segundo O Alegre Canto da Perdiz.

Paulina Chiziane e sua obra

Ambos dizem respeito a um mundo totalmente diferente do nosso. No primeiro, a autora traz a história da primeira mulher de um polígamo. Ao acompanhar o sofrimento dela, sempre me perguntava por que ela não dava fim a essa relação que, pela descrição dela era totalmente abusiva. Na primeira metade do romance, não conseguia ter empatia ou me compadecer da personagem, mas estava pensando com a minha cabeça de ocidental, eurocentrado, século vinte e um. Da segunda metade em diante, algo aconteceu e eu passei a me identificar mais com Niketche, em especial porque exigir da humanidade a monogamia eterna é um conceito vitoriano absolutamente antinatural, na minha opinião.

Mais recentemente li O Alegre Canto da Perdiz. Um libelo anticolonizador.

Ao narrar a atribulada trajetória de Delfina, Chiziane nos traz a visão do colonizado pelo lado de dentro. A abertura do romance me trouxe uma ternura e uma lembrança de várias pessoas cujo contato com a realidade parecia perdido, vagando pelas cidades e alvo de desprezo, nojo e preconceito de nós burgueses bem limpos, diariamente banhados, alimentados, abrigados contra as intempéries. O fio se estende e a história dessa mulher vai se desvendando lentamente.

Chiziane é uma excelente narradora. Mas nos dois livros que li, certamente senti o eco da tradição de oralidade, tão presente entre nós de Candomblé. A linha do tempo do romance O Alegre Canto da Perdiz vai e volta, às vezes me pareceu um pouco confusa, para logo me reencontrar com os personagens de forma mais harmônica. Uma das passagens em que me senti mais conectado com essa forma ao mesmo tempo cortante e lírica é essa:

“Todos retrocedem no tempo, vogando para o passado numa canoa de ternura. E chegam ao mesmo ponto. Ao umbigo do céu. No pico de um monte. Ponto de chegada e de partida. E reiniciam a viagem em direção ao futuro com uma paragem no presente.”

No que diz respeito ao anticolonialismo e à descolonização, me permito transcrever um trecho do posfácio:

“(…)reducionismo simplificador, próprio de uma tradição de ensino linear-factual que ainda aprisiona a historiografia africana, já que direciona a sua atenção, frequentemente laudatória, à nobreza dominante, em detrimento de uma análise transversal do conjunto social. Para Carlos Moore, um enfoque que privilegie a interação contraditória das classes e agremiações sociais, mostrando os mecanismos internos de exploração, de dominação e de coerção, assim como os conflitos decorrentes do choque de interesses variados, revela-se muito mais fecundo e susceptível de refletir as realidades concretas das sociedades africanas.

No essencial, parece ser esse o caminho escolhido por Paulina Chiziane para construir este seu mais recente romance, O Alegre Canto da Perdiz, que leva o leitor a confrontar-se com algumas dessas questões ao revisitar os mais diversos mitos de origem matricial africanos, as perversas relações entre dominados e dominadores, os conflitos intra e inter-étnicos, junto com mecanismos asquerosos de sustentação e reprodução, até à repulsa, da dominação, coerção e exploração, movidos, precisamente, por conflitos decorrentes do choque de interesses.”

A Metrópole agraciou essa colonizada com um de seus prêmios literários mais importantes e isso tem um imenso significado, porque, para mim, O Alegre Canto da Perdiz é um libelo anticolonização e um “manual para descolonizar o pensamento”. Os conflitos de Delfina com o marido nativo, a quem obrigou a se assimilar, com o amante português, de quem obteve melhor posição social, com os pais, mais precisamente com a mãe, de quem herdou a primeira profissão praticamente obrigada pelo pai, com os filhos do primeiro e do segundo casamento, são um retrato dos conflitos que identifico em mim e em muita gente que conheço.

No entanto, esse conflito reside na busca de uma cultura original, mas verdadeira, em guerra contra a mentalidade eurocentrada da academia, das noções estéticas brancas e “elegantes” que, certamente, prefiro chamar de “sofisticadas”, no sentido de falsas e mentirosas, impostas pelo colonizador.

O Alegre Canto da Perdiz é um livro que deve ser lido e relido, até nos conscientizarmos de que podemos ter originalidade.

Por fim, compartilho a entrevista com essa mulher de olhar calmo e de fala mansa, mas que tem em si a chama da luta revolucionária!

Você encontra os livros de Paulina Chiziane na Amazon – Clique Aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

plugins premium WordPress